HEMONÚCLEO

Hospital Regional de Assis - Pça. Dr. Symphrônio A. dos Santos, s/n Cep: 19814-015 Centro - Assis-SP Fone: (18) 3302-6025          

Normas gerais para doação de Sangue

Principais causas de inaptidão para a doação de sangue:

•Estar em boas condições de saúde.
• Ter entre 16 e 67 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos (menores de 18 anos, clique para ver documentos necessários).
• Pesar no mínimo 50kg.
• Estar descansado e alimentado (evitar alimentação gordurosa nas 4 horas que antecedem a doação).
• Apresentar documento original com foto emitido por órgão oficial (Carteira de Identidade, Cartão de Identidade de Profissional Liberal, Carteira de Trabalho e Previdência Social).

Impedimentos temporários

•Gripe: aguardar 7 dias.
• Gravidez: 90 dias após parto normal e 180 dias após cesariana.
• Amamentação (se o parto ocorreu há menos de 12 meses).
• Ingestão de bebida alcoólica nas 4 horas que antecedem a doação.
• Tatuagem nos últimos 12 meses.
• Situações nas quais há maior risco de adquirir doenças sexualmente transmissíveis, como não usar preservativo com parceiros ocasionais ou desconhecidos: aguardar 12 meses.
• Fumantes - ficar sem fumar pelo menos 1 hora antes da doação.

Alimentação: candidatos em jejum ou que ingeriram alimentos gordurosos há menos de 4 hs.

Doenças: candidatos com história de doenças hematológicas, cardíacas, renais, pulmonares, hepáticas, autoimunes, diabetes, hipertireoidismo, hanseníase, tuberculose, câncer, sangramentos anormais, convulsões, ou portadores de doenças infecciosas cuja transmissibilidade através de transfusão sangüínea seja conhecida: Doença de Chagas, Hepatite, AIDS, Sífilis. Estados gripais ou alérgicos contra-indicam a doação.

Principais causas de inaptidão definitiva para doação de sangue:

A - PRINCIPAIS CAUSAS DE INAPTIDÃO DEFINITIVA PARA DOAÇÃO DE SANGUE

Alcoolismo crônico

Anafilaxia (choque anafilático)

Antecedentes de acidente vascular cerebral (AVC)

Bronquite e asma (crises com intervalos de 3 meses ou menos, sem controle com medicamentos por via inalatória)

Babesiose

Blastomicose sistêmica

Câncer (inclusive leucemia). Antecedentes de carcinoma in situ de cérvix uterina e de carcinoma basocelular de pele não impedem a doação de sangue

Doença cardiovascular grave. Especial atenção para doença coronariana, angina, arritmia cardíaca grave, insuficiência cardíaca, doença valvular, aneurismas, má formações arteriovenosas, endocardite com sequela, miocardite com sequela, trombose arterial, trombose venosa recorrente e trombofilia.

Diabetes tipo I, diabetes tipo II, insulino-dependente.

Doença de Chagas

Doenças autoimunes que comprometam mais de um órgão. Por exemplo: lúpus eritematoso sistêmico, tireoidites imunes, artrite reumatoide, etc.

Doença pulmonar grave: especial atenção à enfisema, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), história de embolia pulmonar

Doenças endócrinas: hiperaldosteronismo, hiperfunção hipofisária, hiperlipoproteinemias essenciais, hipertireoidismo, hipopituitarismo, insuficiência suprarrenal, síndrome de Cushing

Doenças gastrointestinais: cirrose hepática, retocolite ulcerativa crônica, doença de Crohn, hepatopatia crônica de origem desconhecida, hipertensão porta, pancreatite crônica

Doenças neurológicas: esclerose em placa, esclerose lateral amiotrófica, esclerose múltipla, hematoma extra ou subdural com sequela, leucoencefalopatia multifocal progressiva, neurofibromatose forma maior, miastenia gravis

Doença renal crônica

Doenças hemorrágicas congênitas ou adquiridas

Doença de Creustzfeldt Jakob (vaca louca) ou histórico familiar de encefalopatia espongiforme humana e suas variantes, transplante de córnea e implante a base de dura-matér

Elefantíase (filariose)

Esquistossomose hepatoesplênica

Feocromocitoma

Hanseníase

Hepatite viral após 11 anos de idade (exceto para caso de comprovação de hepatite A aguda com IgM reagente, a época do diagnóstico clínico)

Infecção por HBV, HCV, HIV, HTLV I/II

Intoxicações por metais pesados

Leishmaniose visceral (Calazar)

Malária (Febre quartã - Plasmodium malarie)

Doença psiquiátrica que gere inimputabilidade jurídica (incapacidade)

Pênfigo foliáceo

Psoríase extensa ou com outras manifestações associadas

Reação adversa grave em doação anterior

Tuberculose extrapulmonar

 

B. PRINCIPAIS CAUSAS DE INAPTIDÃO TEMPORÁRIA PARA A DOAÇÃO DE SANGUE

Causas de inaptidão temporária

Tempo de inaptidão

Atraso menstrual em mulheres em idade fértil

Até que se afaste a possibilidade de gravidez ou de outro problema que impeça a doação

Adenomegalia a esclarecer

Avaliação caso a caso

Alergias (tratamento de dessensibilização)

3 dias após o fim do tratamento

Alergias (urticária, rinite, dermatite e outras)

Na fase aguda e durante o tratamento

Blastomicose pulmonar

5 anos depois da cura

Brucelose

1 ano após o tratamento ou 8 semanas após a potencial exposição

Caxumba

3 semanas após a cura

Citomegalovírus

3 meses após desaparecimento dos sintomas

Cólera

3 meses após a cura

Conjuntivite

1 semana após a cura

Dengue

4 semanas após a cura

Dengue hemorrágico

6 meses após a cura

Diarreia

1 semana após a cura

Epilepsia

3 anos após suspensão do tratamento e sem relato de crise convulsiva

Erisipela

2 semanas após a cura

Gripes ou resfriados

1 semana após cessarem os sintomas

Herpes simplex genital, Herpes simplex oral, etc.

Após o desaparecimento das lesões

Herpes Zoster

6 meses após desaparecimento de sintomas

Infecções bacterianas comuns não complicadas (por exemplo: sinusite, amigdalite, otite, infecção urinária baixa)

2 semanas após o fim do tratamento

Leptospirose

3 meses após a cura

Lesões de pele no local da punção venosa

Até a cura

Lesões dermatológicas: eritema polimorfo, eritrodermias, líquen plano

6 meses após a cura

Meningite infecciosa

6 meses após a cura

Mononucleose infecciosa

6 meses após a cura

Osteomielite aguda

2 meses após a cura

Osteomielite crônica

Definitivo

Pericardite infecciosa (exceto tuberculosa)

12 meses após a cura

Pielonefrite

1 mês após a cura

Piercing, tatuagem ou maquiagem definitiva

6 meses após realização; 12 meses se não houver condição de avaliação da segurança do procedimento realizado; se na cavidade oral e/ou na região genital, devido ao risco permanente de infecção, a inaptidão é 12 meses da retirada.

Rubéola

2 semanas após a cura

 

Retirada de verrugas, unhas, manchas e outros pequenos procedimentos dermatológicos

Após a cicatrização

Síndrome vestibular periférica (labirintite)

30 dias após a crise e sem uso de medicamento

Sífilis

12 meses o tratamento

Tromboflebite isolada

6 meses após a cura

Toxoplasmose comprovada laboratorialmente

1 ano após a cura

Tuberculose pulmonar

5 anos depois da cura

Ulcera péptica

12 meses após a cura

Varicela

3 semanas após a cura

Principais causas de inaptidão temporária para a doação de sangue:

Causas de inaptidão temporária Tempo de inaptidão
Diabetes tipo II não controlado Até o controle
Acupuntura ou “piercing” feitos com material descartável 3 dias após realização
Acupuntura ou “piercing” feitos sem condições de avaliação 12 meses após realização
Tatuagem 12 meses
Alergias (tratamento de dessensibilização) 3 dias após o fim do tratamento
Alergias (urticária, rinite, dermatite e outras) Na fase aguda e durante o tratamento
Asma ou bronquite leve (crises com intervalos maiores que 3 meses, compensadas com medicamentos via inalatória) 1 semana após a última crise e desde que não esteja em uso de medicamento
Atraso menstrual em mulheres em idade fértil Até que se afaste a possibilidade de gravidez ou de outro problema que impeça a doação
Diarréia 1 semana após a cura
Esclerose de varizes de membros inferiores 3 dias após o procedimento
Labirintite 30 dias após a crise e sem uso de medicamento
Lesões de pele no local da punção venosa Até a cura
Retirada de verrugas, unhas, manchas e outros pequenos procedimentos dermatológicos 1 semana após a alta
Lesões dermatológicas: eritema polimorfo, eritrodermias, líquen plano 6 meses após a cura
Adenomegalia a esclarecer Avaliação caso a caso


Principais Doenças Infecciosas e sua Correlação com a Doa ção de Sangue:

Doença infecciosa Tempo de inaptidão
Gripes ou resfriados 1 semana após cessarem os sintomas
Infecções bacterianas (sinusite, amigdalite, otite, etc) 2 semanas após o fim do tratamento
Doença de Chagas, Brucelose, Hanseníase Definitivo
Tuberculose
5 anos depois da cura
Conjuntivite 1 semana após a cura
Rubéola, Erisipela 2 semanas após a cura
Caxumba, Varicela 3 semanas após a cura
Dengue 4 semanas após a cura
Dengue hemorrágico 6 meses após a cura
Herpes Zoster 6 meses
Toxoplasmose comprovada laboratorialmente 1 ano após a cura
Teste repetidamente positivo para anti-HBc Definitivo
DST, incluindo H. simplex genital
12 meses